Thursday, March 27, 2014

Fundação Gulbenkian: PRÉMIO VILALVA 2013 distingue MUSEU DO CARAMULO

O projeto de requalificação do Museu do Caramulo é o vencedor da sétima edição do Prémio Vilalva, uma iniciativa da Fundação Gulbenkian que destaca anualmente um contributo importante no domínio da recuperação do património. A distinção surge numa altura em que o Museu  propõe valorizar as mais de 500 obras da sua coleção, através de um projeto de modernização das salas de exposição e de atualização do discurso museográfico.
www.gulbenkian.pt




O júri, constituído por António Lamas, José Sarmento de Matos, José Pedro Martins Barata, Dalila Rodrigues e Rui Esgaio, destacou a “relevância e oportunidade do projeto”, a “qualidade da intervenção proposta”, bem como o “criterioso respeito pelo edifício e museografias originais”, assinalando ainda o papel essencial que este Museu vem desempenhando enquanto “polo dinamizador da vida cultural da região”.

O projeto de requalificação do museu, da autoria do ateliê da arquiteta Teresa Nunes da Ponte, baseia-se no respeito pelo espaço existente, propondo uma leitura contemporânea através de uma nova distribuição das peças, do desenho de novos suportes expositivos, da introdução de novas tecnologias de iluminação e de uma nova proposta gráfica (da autoria do ateliê Pedro Falcão).

Iniciada em 1953 por Abel de Lacerda e totalmente constituída por doações, a coleção do Museu do Caramulo é um caso absolutamente único no contexto museológico português, resultando de um invulgar gesto filantrópico coletivo, ímpar em Portugal e raríssimo no mundo. A capacidade de persuasão do fundador permitiu-lhe reunir obras de arqueologia, escultura, pintura, desenho, gravura, mobiliário, cerâmica, tapeçaria, têxteis, ourivesaria, joalharia, vidros e esmaltes, doadas por colecionadores, mecenas, artistas, amigos e ainda por algumas empresas. Ficaram célebres as visitas que realizou aos ateliês de Salvador Dali, Pablo Picasso e Fernand Léger, de onde saiu com obras oferecidas por estes artistas para a coleção.

Entre as obras reunidas destacam-se óleos de Grão Vasco, Jacob Jordaens, Quinten Metsiijs, uma tela atribuída a Frei Carlos, uma natureza morta de Pablo Picasso e a obra (“Modelo no atelier”) de Raoul Dufy. Salienta-se ainda, neste conjunto, a notável série de quatro tapeçarias do séc.XVI, “Portugueses na Índia”, realizadas em Tournai, Flandres e  ainda um conjunto de peças chinesas da dinastia Ming e Qing, assim alguns magníficos exemplares de artes decorativas luso-orientais.
Nomes de referência da arte nacional como Amadeo de Sousa-Cardozo, Eduardo Viana, António Carneiro, Aurélia de Sousa, Leopoldo de Almeida, Vieira de Silva, Eduardo Nery, Artur Loureiro, Martins Correia, Canto da Maya, Silva Porto, Eduardo Malta, e Jorge Vieira, entre muitos outros, estão representados nesta coleção.

O Museu do Caramulo dispõe ainda de um polo dedicado a uma notável coleção de cerca de uma centena automóveis, motociclos e velocípedes antigos que abrange mais de 120 anos da história automóvel, mecânica e industrial, reunida por João de Lacerda. Trata-se de um dos melhores acervos, do género, em todo o mundo. Em Março de 2004, o Museu abriu ao público uma exposição de brinquedos antigos e miniaturas de coleção, que conta com mais de 3000 peças, cobrindo quase um século da história do brinquedo.

Contactos:
Tiago P. Gouveia - Diretor-Delegado do Museu do Caramulo (232 861 270)
Teresa Nunes da Ponte – Arquiteta responsável pelo projeto de recuperação (21 347 65 86)
                 
No valor de 50 mil euros, o Prémio Vilalva foi criado pela Fundação Calouste Gulbenkian em homenagem ao filantropo Vasco Vilalva tendo sido atribuído pela primeira vez em 2007, ao projeto de Tratamento e Divulgação da Biblioteca da Casa Sabugosa e São Lourenço, em Lisboa. Em 2008 foi distinguido o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja pelos projetos Monumentos Vivos e Festival Terras sem Sombra de Música Sacra do Baixo Alentejo. Em 2009 foi premiada a recuperação das ruínas romanas de Ammaia, em Marvão, e no ano seguinte a Irmandade do Santíssimo Sacramento pela ação desenvolvida na recuperação da Igreja do Sacramento, no Chiado, em Lisboa. Em 2011 o júri distinguiu o projeto de recuperação de um edifício pombalino na Baixa de Lisboa, da autoria do ateliê José Adrião Arquitetos e em 2012 escolheu um projeto açoriano de requalificação e musealização de um conjunto escultórico do século XIX, o Arcano Místico de Madre Margarida do Apocalipse

Lisboa, 27 de março de 2014

Leonor Vaz
Serviço de Comunicação
Fundação Calouste Gulbenkian
Tel. +351 21 7823628 (dir.)
www.gulbenkian.pt

No comments:

Post a Comment